domingo, 23 de novembro de 2008

Quando eu morrer

Quando eu morrer quero ser o centro das atenções da minha festa de despedida. Vou estar belíssima num vestidinho preto, batom vermelho nos lábios, cabelos soltos e rodeada de rosas irritando minha pele branca, dessa vez realmente branca como um cadáver.
Ao fundo a musica Love In The Afternoon do Legião Urbana, na voz da Gabi, é claro. E todos vão chorar ao ouvir "É tão estranho, os bons morrem antes, me lembro de você e de tanta gente que se foi cedo demais". Cedo demais mesmo. Cedo demais sempre. Posso ter 300 anos que sempre vou achar cedo demais pra ir embora. Eu gosto tanto disso tudo aqui.
Eu não tenho medo da morte e acredito fielmente no Cazuza que diz que "morrer não dói", mas sinto medo da minha ausência, sabe?
Não consigo imaginar como seriam as coisas por aqui se eu, de um dia para o outro, desaparecesse. Desaparecer. É simples assim. Agora você existe e daqui algumas horas você pode simplesmente sumir, pra sempre. E o pior é que você não escolhe, não escolhe e não entende.
Quando eu morrer não quero ninguém chorando. Sei que é difícil dizer adeus, e que despedidas são duras, cruéis e dolorosas. Mas e os momentos bons?
Eu não me resumo nesse dia em que vou partir pra sempre. Eu vivi. E muitos que estarão velando meu corpo foram felizes ao meu lado, pelo menos alguns instantes.
Era quase impossível não rir de todas as minhas bobeiras, palavras inventadas, gírias. Até aquele meu jeitinho meio puxado de falar provocava gargalhadas. O truque da piscada. Minha voz de gralha. Os ensaios da banda. As brincadeiras. A promessa de ser criança sempre.
Momentos inesquecíveis que ficarão mesmo com a ida do meu corpo. É só um corpo. Meu espírito ainda vai puxar muitos pés por aí (haha) e eu prometo voltar todas as noites pra ver se ta tudo bem.
A vida segue seu rumo e morrer é inevitável.
Quando eu morrer quero ver a galera enchendo a cara de vodka e se enchendo de Marlboro, assim o nosso reencontro será mais rápido. (haha²).
Consolem a Helena, diga que a mamãe a ama e que ela precisa pintar o cabelo, preto é careta demais.
Diga aos meus pais que eu agradeço por tudo e que peço perdão pelas minhas falhas como filha.
Deixe aos meus amigos os meus mais sinceros votos de felicidade, diga que a vida ao lado deles foi mágica e peça pra que não doem meu coração. Quem vai quere um coração apaixonado? Ninguém.
Quando eu morrer não quero choradeira não.
Eu não me importo que penteiem meu cabelo, nem que me encham de flores.
Mas pra que tanta lagrima?

18 comentários:

Cami disse...

É o que eu digo: quando eu morrer, vou ter deixado uma grana para a galera pagar um churrasco, uma cervejada e um bailão.

E se divirtam, porque é a última coisa que deixarei para todos. Rsrsrsrsrs

Beijos.

Flávia Lago disse...

ah que fofo. Aliás que maravilha ver a Camila por aqui! Foi através dela que conheci este blog, o qual muito me encanta.
Eu tenho medo da morte, mais por essa sensação de fim de uma existência que me trás tanta felicidade.
A verdade é que nunca estaremos preparados...ou não. Sabe-se lá.
Mas ela é a certeza da vida...então só nos resta a conformação. Gosto fa forma com que escreves.
Um abraço, Flavinha.

iurimachado disse...

Mih relmente...tah Muito bom esse texto....
ComO sempre Disse elis Regina
"...O Show de todo artista tem que continua.." e Pode ter certeza que o seu vai continuarrr...continuar na luz,na luz da esperana..ond la poderemos ver a felicidade... amor..a eternidade...naum se preocupe...ali no ugar do Malboro eu vo uma LA ok? kkkk

AMOo vc sempree Pekenaa

Rhaissa disse...

Cara, se você morrer, como eu vou ficar, sem seus textos quase todas as manhas ?

Quando eu morrer quero que meu velorio seja igual o que teve no filme "ps: eu te amo" todo mundo enchendo a cara, e cantando uma música que eu mesma farei, pra quando eu morrer!
hehe

Rhaissa disse...

aproposito sou a s2Raah s2

mais não estou logada!
Bjundah

Jana disse...

Não gostei.
Quero dizer, gostei.
Explico: gostei do texto, não gostei do tema.
Fiquei triste pensando nessa coisa de você morrer.
Nã, nã, nã: te queremos bem vivinha, em carne e osso, aqui do nosso ladinho.

Agora, uma coisa eu preciso confessar: também não me importo TANTO assim de morrer.
Desde que a morte, quando vier me buscar, venha bem vestida.
Hahaha.

Beijoca querida
:)

afobório disse...

a morte é um acaminho, mas não uma separação, mas vc não vai morrer, ficará por aqui escrevendo.

hehehe.


sorte e luz.

Carol França disse...

lindo texto. Se pudesse lhe aplaudia pessoalmente e de pé ^^.
é um daqueles que quando você termina de ler você diz: UAL.. ual [?], rsrrsrs, é pode ate parecer uma palavra pequena, que possa nos primeiros momentos não parecer o valor que tem. Mas quando descobrir que o "UAl" foi porque você rooubou todas as palavras, que nos deixou sem fala, apenas admirados, você ira entender ^^

COncordo plenamente quando dize "não quero lagrimas". Tabem jamais iria querer lagrimas no dia do meu enterro, jamais pediria a alguem pra sentir saudades de alguem que ja morreu, ja que eu mesma nunca fiz isso. =D

beeijos
[1° vez por aki xD]

Inquilino do Sublime disse...

qdo eu me for soh quero deixar um rastro magico!

.Dazinha. disse...

Fico meio assim com estes temas, haha, mas tão bem e lindamente escrito assim, a gente pega até gosto pela coisa. hahaha.

Eu morro de medo de morrrer, pavor, completo, total, insano!
iahuiha

Beijos e beijos

Adriano Queiroz disse...

"Se o ser humano não morresse, inventaríamos a morte" dizia Paulo Autran.
Eu concordo. hehehe

Tb não quero muita choradeira, mas um pouquinho faz bem pro ego. hahaha

Viva e nos conte como ela é!

Abraços.

Jéssica disse...

Eu não tenho medo de morrer, tenho medo de ver pessoas morrendo. Depois de perder alguém realmente significativo acho que acabei desenvolvendo um certo medo das palavras "nunca mais". Só eu sei o quão assustador isso pode ser, apesar de parecer clichê.


Enfim, adoro tudo que tú escreve! Me identifico demais. As partes que falam sobre sempre achar que é cedo demais, e de imaginar que num minuto você está ali e no outro não, são bem a minha cara. Além de que a música não poderia ser melhor.

PS: desculpa a demora, novamente. No próximo post, posto o selo e o meme atrasadíssimos!!

beijos.

Danielle Cristina disse...

Gata esse texto ficou parecendo uma carta de despedida =/. as vezes me pego fazendo isso e dizendo logo tudo pras pessoas antes que seja tarde, afinal nunca sabemos o dia de amanhã, eu sou ao contrário queria ver quem iria chorar ao sentir a minha ausência!
e isso é uma maneira de expressar o quão faz falta e o quanto vc foi especial para eles!

Gaby Soncini disse...

Adorei o texto.

Mais fiquei triste.

Grande beijo e Parabéns pelas tocantes palavras.

Luiz Calcagno disse...

Nunca é cedo. Nunca é tarde. Toda hora é hora. Eu disse isso hoje e repito: devemos tomar amorte como conselheira. Adorei o texto. Sabe o que? Queria ter escrito isso um dia. E mais uma coisa, também adoro Kegião! Se cuida...

Luiz Calcagno disse...

É LEgição, com "L". Hauheuaheuahuehauhe... Beijo

André disse...

Só não volta pra puxar meu pé depois ok

Dany disse...

Você vai estar morta!(Y)
Não?!
uahsaushaushua