terça-feira, 9 de junho de 2009

Sobre o meu corte

O tênis vermelho maltrata o asfalto, em uma mente qualquer, e enquanto o mundo acorda ela tenta esquecer.
Fechar os olhos estraga tudo.
O bom mesmo é ficar acordada e receber os socos que a tal vida distribui; estomago ou rosto? Você decide! Eu decidi ver.
Eu me prontifiquei a receber tapas do acaso e até sorri fingindo entender e aprovar toda essa encenação de merda. Fingir. Falsa. Farsa. Um teatro bem ensaiado para ser aplaudido no fim. Todos de pé batendo palmas para o momento trágico de alguma vida partindo.
A vida que deixou de ser vida.
A vida que passou a ser morte.
Foi embora.
Para um lugar onde os olhos não alcançam, sem que eu pudesse ver ou evitar.
Rápido.
Acordei e já não estava ali.
Estava lá.
Sem vida e afundado em morte.
E agora os olhos, vermelhos, acompanham o tênis. Correm. Correm. Quase voam. Pisoteiam, maltratam, humilham o asfalto sujo de pés e tênis e sapatos e pessoas. Pisam, com ferocidade, no concreto pra lhe obrigar a carregar um pouco daquele peso que ela traz no coração.
As gotas salgadas, que inundavam sua alma, transbordam pela janela; molham tudo, até os olhos de quem vê. E ela corre de encontro ao nada achando que um dia alguém vai lhe dar tudo. Não vai. Eu sei, ela sabe. Todos sabem de tudo e ninguém conta pra ninguém. Porque todo mundo queima a mão no mesmo fogo e a dor nos mantém calados esperando o próximo se queimar.
Só o dono dar dor sabe o quanto dói e, aqui, não está doendo, está rasgando.
Enquanto alguém sente muito, eu sinto saudade.
Eu só queria ele de volta.

6 comentários:

Marcos Satoru Kawanami disse...

não sei por que, imaginei desde o começo um All Star.
cara, esse texto é punk!

=D
marcos

Aninha disse...

"Enquanto alguém sente muito eu sinto saudade...."


QUe palavras lindas!!!!!!!!!!!

Andréia disse...

intenso, ferroz e chocante

adorei!!

B. disse...

Eu tbm imaginei um All Star!

Seus texto estão cada vez melhor *_*

o Futuro ao certo nao sabemos,mas ele pode voltar...

Thiago Assis disse...

melhor no estomago que não estraga a máscara... huauhuhauhauhauhuha

tens uma narrativa muito envolvente.

Srta Diazepan disse...

belo jeito de descrever que sente saudades... e tanta!

:*