terça-feira, 10 de março de 2009

Sábado, sete

Estou me sentindo como um gato de rua, vagabundo e, com uma bola de pêlo, enorme, na garganta. A bola se mexe, remexe, se embola aqui dentro e por mais que eu grite e cante e mie ninguém vai entender o porquê de certos arranhões grátis; às vezes nem é por maldade, injúria ou desafeto, é só vontade de arranhar e afiar as minhas unhas. Pura necessidade de ver aquela risca avermelhada salpicada de sangue no corpo de alguém. Eu tenho vontade grande de provocar cortes fundos e feridas incuráveis por aí, por toda essa gente, em todos; menos em você.
Com você eu me importei desde o inicio, escondi minhas garras e bati de frente com a minha vontade insaciável. Por você eu pensei em deixar de ser gato de rua, em voltar para casa, achar um dono. Por você, só e somente por você.
Pensei e tentei e me enrosquei naquilo que eu queria acreditar; acreditei. Montei a peça e enquanto ensaiava o nosso momento, nossa hora, nosso ápice, veio a tempestade daquel
es olhos negros e levou tudo. Eu tentei salvar o que era necessário, tentei e só consegui essa bola na garganta lotada de palavras que eu nunca disse e ainda espero dizer.
Por enquanto a rua é a minha única companheira e, ter um dono já não parece tão bacana quanto à semana passada; acho que sou um gato covarde, meio arredio e com uma dose excessiva de medo no sangue. Eu experimentei sua sede e dela fiz minha fonte; embriaguei-me e gostei do que vivi e ainda poderia viver. Agora é diferente; é possível ver o arame farpado por debaixo de sua pele, macia, esperando meu toque para então me machucar.
Será que você não entende?
De gato de rua já basta eu.


13 comentários:

Nayara .NY disse...

As cascas se desfazem em um piscar de olhos,
o que vem por detrás delas é que me assusta,
como saber, sem antes tocar?

Bjosss

Marcos Satoru Kawanami disse...

Texto bem concatenado e elegante, enxuto e preciso. Mandou bem.

Amanda disse...

Tudo acaba virando pó. Tudo acaba se esvaindo, igualmente a areia em uma ampulheta.

jessicadeverdade disse...

Miauuuuuuuuuuuuuuuuu
Acho que no fundo somos todos gatos de rua...
té mais

NiNah disse...

Lindo mesmo!
Bjo bonita

Colombina* disse...

"wild stray cats, they're real gone guys."

marvin . disse...

"wild stray cats, they're real gone guys." [2]


rs

ஜॐ♥ஜnikita ஜॐ♥ஜ disse...

Puxa, como entendo isso!!!! Cada palavra!!!

NiNah disse...

Moça bonita, tem selo pra ti.
Bjo

Jo'ce Oliveira disse...

simplesmente real, simples e legal...
gosto muito de textos assim, com um que de mistério, e um tanto de sinceridade...

Beijos (te acompanho daqui*)

Danielle Cristina disse...

tem selinho pra vc no meu blog! (:

Andréia OM disse...

olá! post excelente!!!

Grazi disse...

Que tudo que esteja engasgado, vá embora, deixando esse incomodo ir dar uma volta!
As vezes é horrivel querer falar tantas coisas, e num ter oportunidade, ou não poder.
Como também, é horrivel qrer tanto se aproximar de alguém, de um modo, e saber q ela provavelmente irá te machucar.
Mas tbm, talvez, todos machucarão...
só nos resta saber por quem vale a pena.
Frase conhecida né? rs Adoro ela.

Beijos