sexta-feira, 16 de abril de 2010

Carta,

pra você

Queria poder me lembrar dos detalhes. De todos os mínimos detalhes e traços e medos que compõem seu corpo. Queria entendê-lo. Saber, de uma vez, porque seu olhar me despe. O porquê de suas marcas serem definitivas. Me sinto transparente e acuada em sua presença, como se a qualquer momento suas mãos ágeis pudessem me invadir e levar o que nunca ninguém levou.
Tenho medo do bem que você pode me fazer. Medo de parar minha busca ao te encontrar. Medo de parar no tempo sem poder, ou querer, evitar. Sinto tantas coisas, beibe, que jamais poderei contá-las sem que meu jogo fosse entregue, sem derrubar essa minha máscara de garota-segura.
Eu queria que você me entendesse sem que eu precisasse explicar. Queria que você sentisse a minha vontade e que entendesse que o desejo é mutuo e que há, sim, reciprocidade nas nossas pequenas coisas. Queria que você entendesse que esse medo que eu sinto é por você. Não quero te assustar com o que sou, nem te mandar embora ao encarar meu egoísmo e meu sentimento ralo.
A vida toda eu só fiz pensar em mim.
Por isso, agora, me desespero ao perceber que estranhamente tenho pensado em você.
Não quero te machucar - como fiz com muitos. Quero te proteger, cuidar pra que tudo dê certo. Ser cautelosa para que esse sorriso que me ilumina nunca se perca na escuridão.
Eu só quero que você saiba que eu me importo e que me machuco a cada vez que, sem querer, te faço triste. Não sou a pessoa perfeita pra ninguém, eu sei, também jamais procurei a perfeição. Sou totalmente errada e errante. Imatura e pouco explicita. Sou um poço de confusão. E o que me surpreende é que, mesmo assim, vejo sua vontade em se perder em minhas águas.
Fico pensando que talvez você seja a pessoa certa.
Talvez você seja a minha grande chance.
Eu não sei, nós não sabemos...
Mas não quero perder um minuto dessa nova história.
Quero todos os beijos e abraços e palavras que me cabem. Quero te ver sorrir todas as manhãs e dormir sentindo aquele perfume que já é tão seu. Não tenho certezas. Nunca tive e talvez nunca tenha. Mas depois de você os dias têm sido mais calmos. Depois de você as pequenas coisas voltaram para seus lugares de pequenas coisas. E desde então nada tem importância se não colocar um sorriso no seu rosto. Desde então não se faz necessário Julias, Clarices ou Helenas.
Desde então tudo se desfez e só você se faz presente.
Não preciso de musas inspiradoras, beibe.
Não preciso de muita coisa se eu tiver você.

6 comentários:

Josielison disse...

Muito bom
Seus textos são fascinantes.

Amanda disse...

Olha Josielison veio visitar ela \o/
Eu sempre falei desse blog. HA!
Nee? Cara, o texto de hoje me deu um aperto no peito.
Travou a garganta e fez os olhos lacrimejarem. Amo quando você me causa isso com seus sentimentos palpáveis.


=*

EmileJ disse...

muiiiiiiiii bom minha branquelaaa uhu \o//
' DEPOIs DE VOCE, os outros são os outros'
complementa seu texto ;)

saudadeeeees :*

Malu Paixão disse...

ô amiga...
essa menina com carinha de gente normal (tá, não tão normal assim...) vira um monstro do sentir com algumas letras na ponta do lapis hein!
mto bom!

Rony disse...

oi, gostei do teu texto, tô seguindo ^^

Rhaissa disse...

"A vida toda eu só fiz pensar em mim.
Por isso, agora, me desespero ao perceber que estranhamente tenho pensado em você."

Sabe Camila, vou aqui me abrir rapidinho com você, até porque esse texto ja é "passado" do blog e tudo (porque nao foi recentemente postado) hm...

Hoje, dia 30 de abril, exatos 23 dias antes de meu aniversário de 15 anos, após exatamente 2 meses e 18 dias de namoro com um garoto que gosto à muito tempo, muito mesmo. Este garoto terminou comigo.

Terminou comigo, terminando com o namoro, claro.

E aí volto um pouco e leio isso, não consegui evitar pensar...
"É realmente desesperador. É de se desesperar com toda certeza. É até motivo pra se rebelar e chutar baldes de águas frias. Porque toda minha vida vim pensando em mim, e quando paro pra pensar em outro alguém, esse alguém me destrói."

É, é desesperador.

E sei que é isso que desespera.
Porque tanto queremos encontrar o amor quanto esperamos que ele dê certo e seja eterno.
Não há essa de "que seja infinito enquanto dure" (Perdão Vinicius, amo sua poesia, mas tenho que discordar) Quando pedimos por algo que apenas dure, e que seja bom enquanto dure, estamos mentindo, sendo hipócritas, QUANDO VOCÊ AMA ALGO VOCÊ NÃO QUER LARGAR.

Mas creio que depois de um tempo, uns meses, ou anos, nos acostumamos novamente a não ter aquilo e aí voltamos ao inicio. Onde o medo se criou, a esperança se fez presente e o amor destruiu aos poucos e deixou pro tempo tentar reconstruir alguma coisa.

E eu, como quase sempre, falando demais onde não deveria. Perdão.


É que, esse texto muito me fez pensar, e lembrar e é um ótimo texto.