segunda-feira, 16 de julho de 2012

CONFESSO


Na ânsia de escrever não escrevo nada.
Por tentar dizer e não poder, não querer; me esqueço.
Esqueço as palavras, a loucura, as doçuras.
Me esqueço das lagrimas no fim.
Mas o peito continua aberto – e o sorriso largo.
Não pego o lápis, já não sujo as mãos de tinta.
Poderia dizer: Relaxa, Camila, é crise”, mas eu sei que enfiar o dedo na garganta já não me satisfaz.
Não tenho o que dizer, não digo.
Não posso escrever, não sou.



2 comentários:

Mateus Bonez disse...

SAUDADE de passar aqui.

Que texto delicioso. E você continua ótima. ÓTEMA. <333

bêj.

Rhaissa N. Ramon disse...

Gostei.

Não tenho muito o que dizer, não digo. rs